segunda-feira, 20 de outubro de 2014

CHAT: sessões de diálogo em tempo real - 2º tema


Colegas de construção,

Em Belo Horizonte, um lindo dia de sol!

A comunicação à distância pode ser feita de forma síncrona ou assíncrona.

Uma modalidade típica de comunicação síncrona que utiliza os recursos em rede é o chat. Em um único ambiente, várias pessoas podem comunicar-se ao mesmo tempo. É um meio muito conhecido como salas de bate-papo. Um exemplo de chat é o Windows Live Messenger – MSN.

O Moodle apresenta um chat de fácil utilização para a interação entre os participantes do curso.

Atenção: Para utilizarmos o chat como recurso andragógico, é necessário o planejamento didático. A possibilidade de várias pessoas se comunicarem ao mesmo tempo pode ser um complicador. Os diálogos podem se perder, conversas paralelas podem ocorrer e os objetivos pedagógicos não serem atingidos.

Combinados do Chat

Alguns combinados devem ser feitos previamente pelo professor com a turma, a fim de organizar o encontro, tais como:

• Divulgação prévia da data e do horário do chat por meio de mensagem individual ou por e-mail (recomenda-se duas ou três datas de realização de um mesmo Chat);• Informação sobre o tema e tópicos a serem discutidos;
• Ordenação das postagens, como, por exemplo, a ordem crescente de exibição do perfil dos participantes na tela à direita do chat;
• Eleição de um mediador no início do encontro, deixando claro para o grupo o papel dele, quando for o caso;
• Definição de palavras ou símbolos de início e fim da mensagem, assim como outros que, porventura, tenham algum significado para o grupo, como reticências, emoticons etc;
• Registro do nome do colega ao qual está se reportando, para chamar a atenção do mesmo e efetivamente estabelecer diálogos;
• Privilegiar os períodos curtos e objetivos, sem divagações etc;
• Perseguir o tema de discussão, não perder o foco;
• Sintetizar o conteúdo discutido ou as definições acordadas;
• Publicar a síntese no AVA;
• Convidar os cursistas que não puderam participar do chat para a leitura no AVA no mesmo local do chat, em “ver sessões encerradas”.


Vídeo produzido por Rodrigo Fernandes Gonzales.


Os chats devem ser programados e divulgados com antecedência. Além disso, data e horário devem ser negociados com a turma. É indicado até dividir a turma em grupos menores, dando aos participantes a opção de mais de uma data, a fim de que todos possam participar. Turmas menores são mais produtivas, porque os alunos têm a oportunidade de participar mais efetivamente da discussão, assim como o grupo acompanhar melhor o raciocínio dos colegas.

Importante: Ressaltamos ainda que, para que os chats sejam realmente produtivos, é imprescindível que os participantes leiam, estudem, pesquisem o conteúdo a ser abordado previamente. Esforços e estratégias devem ser pensados para envolver os alunos antes do encontro.


O chat é um recurso muito apropriado para levantamento prévio do conhecimento do grupo a respeito de algum assunto, ou para levantamento inicial de temas e ideias, conhecido como “toró de palpites”. O aprofundamento do conteúdo deve ser feito, posteriormente, com recursos mais adequados, como Fórum e a Wiki. Por isso, os encontros online nos chats devem ser breves. Contudo, algum tempo deve ser reservado para que a turma coloque o papo em dia, considerando as relações afetivas, sempre importantes em cursos à distância.

Para participar dos chats:

Após o acesso ao curso, clique no título do chat;Clique em “entrar no chat agora”;Digite sua fala no campo para o texto;Tecle enter:Leia a postagem dos colegas e continue participando.

Em Educação como prática da liberdade (1994), Paulo Freire assim define diálogo:

E o que é o diálogo? É uma relação horizontal de A com B. Nasce de uma matriz crítica e gera criticidade (Jaspers). Nutre-se do amor, da humildade, da esperança, da fé, da confiança. Por isso, só o diálogo comunica. E quando os dois pólos do diálogo se ligam assim, com amor, com esperança, com fé um no outro, se fazem críticos na busca de algo. Instala-se então, uma relação de simpatia entre ambos. Só aí há comunicação (FREIRE, 1994, p.115).

Vamos dialogar!

Grande abraço, Ritze Ferraz.